amor eterno?

Abril 22, 2009

Nem sempre está tudo terminado. Nem todos os pontos colocados, como se a decisão de parar com um sentimento pudesse ser controlada. Rendo-me ao impossível. As vírgulas, que já estabelecemos, começam a ser transformadas em pontos finais, ainda que vagarosamente.

Dez/1999

Anúncios

a máquina do tempo

Abril 22, 2009

Não. Ela não tem o poder de adiantar ou parar o tempo real. Ela realiza o tempo do pensamento. Um dia você pensa “vou ali na máquina do tempo viver uma emoção que sonhei”. Pronto. Pega suas coisas e entra no compartimento especial. Depois disso, como que num passe de mágica, o tempo da sua cabeça começa a se concretizar. Do jeito da sua imaginação. Com tudo sempre dando certo – de verdade. O amor secreto correspondido, o desejo realizado, a vingança feita. Tudo acontece de verdade, mas sem remorsos, frustrações ou medos. O preço é lidar com as consequencias reais do tempo imaginado. A tristeza do outro, a paixão que se cria, o encanto que se quebra. A cabeça de quem entra na máquina preserva as memórias, lembranças, sensações. Apenas desaparece o juízo de valor sobre as coisas. Você entraria? Valeria a pena?

uma lembrança inventada

Abril 14, 2009

Quantas saudades sinto das nossas noites juntos. As pernas entrelaçadas e os corpos exaustos deitados sobre o fino colchão da sua nova casa. Cada ambiente explorado com novas sensações. Um brilho no olhar próprio de quem encontrou a pessoa perfeita naquele instante. Sequências de segundos, minutos e horas de puro encantamento. A paz perturbadora de quem se sabe apaixonado. A certeza de que aquilo, ainda que distante, iria acabar. A luz azulada do cair da noite iluminava a sala deixando o cômodo ainda mais acolhedor. O gosto na boca de uma saudade antecipada. Adormecíamos. Pela manhã a mesma janela fazia o tempo parar; suspenso em pequenas partículas de poeira, que com a luz amarela brilhavam. O cheiro de café fresco tomava a casa toda. Aos poucos era necessário despertar.

promessa

Fevereiro 9, 2009

Meu amorzinho.

Faz três dias que você chegou e por conta disso, meu mundo se transformou.

Nunca imaginei que alguém que a gente nem conhece pudesse trazer consigo tamanho sentimento.

Foram meses e mais meses esperando que você chegasse. Umas quarenta semanas – acho – que passaram num piscar de olhos.

Por sua causa aprendi em poucos dias algumas coisas que, tenho certeza, não esquecerei jamais. E que, sem você, eu levaria a vida toda para entender.

É por isso que vou entregar esta carta à sua mãe, que já sabe ler faz tempo, e que vai, um dia, poder contar para você o quão besta eu, sua tia, estava no dia em que você veio ao mundo.dsc00634

 

Mal você chegou e me ensinou uma das lições mais importantes que eu jamais pensei que aprenderia. Eu amo sua mãe. Parece besta, né? Um dia, quem sabe, você vai ter irmãos e vai ver que às vezes é difícil a gente entender que gosta de alguém que veio “pegar o lugar que era só nosso”. Na verdade vi que não é nada disso. Um irmão não pega o lugar do outro, mas cria um novo espaço. Faz crescer o amor, a vida, o sentimento. Irmão – ou irmã no meu caso – não veio prá deixar a minha vida mais difícil e sim para compartilhar a vida comigo. As alegrias, as tristezas, as dificuldades, os pensamentos sobre como deve ser o mundo, sobre como agir com seus avós e por aí vai. Parece um papelão, mas só hoje, aos 25 anos, entendi que eu amo a minha irmã. Meio burronilda a sua tia, né?

 

Outra coisa que você me ensinou. Não importa o que aconteça. A gente sempre encontra alegria no mundo. Como que uma pessoa do seu tamaninho pode trazer tanto prazer, tanto amor, tanta felicidade? Olha só, Pitoca, você traz sorrisos prá todo mundo. Vai trazer sempre. Mesmo que resolva um dia se rebelar, vai saber.

 

Não sei como é ter um tio/tia legal quando você já é gente grande, mas prometo para você. Vou querer ser sua tia mais legal do mundo. Ajudar você a crescer, a enfrentar as coisas da vida. Me comprometi com a sua mãe a ajudar fazer de você um bom ser humano. E, pode ter certeza, vou viver para isso acontecer. Maluco, né?

 

Enfim, sua tia-madrinha só acabou de escrever esse trecho da carta uns 20 dias depois de você nascer. Mas paciência. Com o tempo você vai aprender que a sua tia é meio lenta. E meio cagona também.

Não sou boa de dar muitas declarações de amor. Mas amo você. Amo sua mãe. Vou estar sempre pertinho e sempre do lado de vocês.

 

Com amor.

Titia.

 

 

São Paulo, 05 de fevereiro de 2009.

arrivederche

Novembro 27, 2008

palma-de-santa-rita1

pra Vó Lena.

“Nem mesmo as flores na vida têm a mesma sorte. Umas celebram a vida. Outras enfeitam a morte”.

desligamento

Novembro 6, 2008

Está partindo. Será?

A cada dia desliga-se mais. Primeiro foi o bom senso. Em seguida o vocabulário, depois os bons modos, a coordenação motora, o olhar, a vergonha, a lembrança de como rezar.

Agora foi-se quase tudo: a energia, a gordura, a pele – sempre frágil. O olhar, aquele por onde se reconhece o indivíduo. Já não tem mais capacidade. Para comer sozinha, engolir sozinha, andar sozinha.

Não sei onde ela está. Se é que está ainda nalgum lugar. Pele e osso simplesmente. E um sentimento triste, de morte diária.

Será assim para ela também? Para nós é assim.

por que?

Setembro 19, 2008

Por que será que as coisas aconteceram assim? De repente toda essa mudança alegre-dolorida. Tão pequena, delicada e com olhos de gata. Olhos esses que resolveram, por um motivo desconhecido, esconder o brilho. Porém, quando se observa mais profundamente nota-se – lá no fundo – um suspiro guardado, com a esperança de que vai ficar tudo bem. Então, por que será que não está?

Por que tanta angústia, tanta abnegação de si mesma? Por que rejeitar-se em nome de uma terceira vida? Sabe-se disso, e eu entendo assim, que quando há mais de uma é necessário fazer escolhas, mas quando há três vidas é esta terceira que deve ser levada em conta? Vale assim o sacrifício?

Nâo sei, nem sei como escrever. Sei que gosto mais desses olhos do que jamais imaginei. Na verdade descobri, tanto tempo depois, que amo. E já que não encontro as palavras certas vou usar a música do Chico – tomando as devidas precauções e fazendo adaptações – para explicar o que vejo e sinto por ela.

Olha
Será que ela é moça
Será que ela é triste
Será que é o contrário
Será que é pintura
O rosto da atriz

Se ela dança no sétimo céu
Se ela acredita que é outro país
E se ela só decora o seu papel
E se eu pudesse entrar na sua vida

Olha
Será que ela é louça
Será que é de éter
Será que é loucura
Será que é cenário
A casa da atriz

Se ela mora num arranha-céu
E se as paredes são feitas de giz
E se ela chora num quarto de hotel
E se eu pudesse entrar na sua vida

Sim, me leva pra sempre (…)
Me ensina a não andar com os pés no chão
Para sempre é sempre por um triz
Aí, diz quantos desastres tem na minha mão
Diz se é perigoso a gente ser feliz

Olha
Será que é uma estrela
Será que é mentira
Será que é comédia
Será que é divina
A vida da atriz
Se ela um dia despencar do céu
E se os pagantes exigirem bis
E se o arcanjo passar o chapéu

juntado com fé

Setembro 16, 2008

Pra quem quiser dar uma olhada no novo blog:

Juntado com fé, casado é!

quisera

Setembro 15, 2008

Quisera eu
Ser a primavera
A boa-nova
Os sabores da vida
Dentro da sua tigela colorida
De tons incomuns
E colorir um a um
Os seus momentos nus
Queria ser
Quem você quisesse ver
Te dar bom dia antes do sol
E sem tem acordar, mergulhar
Debaixo do seu lençol
Quisera eu, como eu queria
Saber que você me espera
Na próxima esquina
Pra irmos pra casa

Zélia Duncan

google

Setembro 12, 2008

Assiti ontem a webconferece com o Carlos Ximenes, diretor de Comunicação do Google do Brasil. Ele deu a palestra para um workshop da Endeavor.

 

O papo (super informal) começou com uma apresentação do histórico do Google. Como nasceu, de onde surgiu e mudanças que aconteceram nesses 10 anos que a ferramenta está no ar. Mas o que realmente foi bacana foram os pontos que ele colocou sobre como é o Google por dentro. Como eles lidam com as pessoas que trabalham lá, porque eles têm uma fama de que o Google é um “parque de diversões” e assim por diante.

 

Enfim, resumindo tudo o que ele disse – foram duas horas de webconference – seguem os pontos que considerei mais interessantes:

 

  • Palavra-chave: empreendedorismo
  • No Google todo funcionário tem que ter espírito empreendedor, seja ele de que área for. Prova disso que é que se um funcionário tem uma idéia para inventar uma ferramenta ou serviço ele tem total autonomia para colocá-la em prática e saber se funciona – eles esperam isso dos funcionários.
  • Outro ponto, se você tem uma idéia que acha bacana eles incentivam que você compartilhe isso com seus colegas. A troca, segundo eles, é fundamental para que haja o desenvolvimento de boas idéias. Aí a pergunta ficava: ok, tenho uma idéia, gostaram dela. Ela vai ser posta em prática? A priori, sim. Se elase justificar em termos daquilo que o usuário do Google pode querer.
  • Talentos: Segundo o Carlos Ximenes esse é um dos segredos do sucesso da empresa. Eles investem nas pessoas. Fazem processos seletivos profundos (e extensos) e mais do que pessoas com boa capacidade técnica, gostam de gente criativa e curiosa, que gosta de saber de coisas que não se restringem apenas às duas áreas. Para eles ter talentos é essencial para que o círculo virtuoso da empresa continue a evoluir.
  • Reter talentos também é fundamental para que a empresa cresça. Por isso eles têm premiações internas (em dinheiro) e os dois eventos mais importantes para os funcionários durante o ano são os prêmios dados pelos fundadores do Google e pelos VPs.
  • Confiar no brilhantismo das pessoas: Se demoramos tanto tempo para contratar alguém, se investimos tanto no processo de seleção temos que contar que as pessoas sabem o que fazem. Ou seja, no Google não se “manda” fazer algo, mas sim, há um processo de convencimento das pessoas de que esse algo deve ser feito. As pessoas fazer porque acreditam e não porque são obrigadas.
  • Tempo:
    • Por entenderem que seus funcionários devem ser criativos (e para isso é necessário haver estímulo) eles dividem o tempo das pessoas (as horas de trabalho) assim:

70% – atividades ligadas ao core business da empresa

20% – atividades que podem ou não dar resultados (orkut)

10% – projetos pessoais

  •  
    • Para eles, o tempo livre do funcionário tem que ser realmente livre. Dedicado a momentos de lazer e prazer, porque só assim ele consegue abrir a cabeça para pensar em outros assuntos e isso, claro, reflete no bom desempenho.
  • “Mantras” do Google: 
  1. Inovação, sim. Perfeição, não.
  2. Compartilhe (idéias, dúvidas, projetos, etc)
  3. Se você é brilhante, nós contratamos.
  4. Uma licença para perseguir sonhos.
  5. Idéias surgem de todos os lados.
  6. Evite promoção, use dados.
  7. Criatividade não gosta de restrição.
  8. Foco na usabilidade e no usuário, não no dinheiro.
  9. Não mate projetos. Transforme-os.
  • Valores do Google
  1. Aja como se fosse o dono.
  2. Respeito e justiça
  3. Fale abertamente com todos.
  4. Faça os usuários amarem o Google.
  5. Honre compromissos.
  6. Assuma riscos.
  • Missão do Google: Organizar a informação do mundo e torná-la acessível.
  • Expressão pessoal: No Google as pessoas podem ter suas baias decoradas da maneira que quiserem e a cada semestre todo funcionário recebe uma verba de $100,00 para fazer seu ambiente do trabalho do jeito que quiser.
  • Ambiente: Buscam manter um ambiente caótico para fomentar a criatividade, a camaradagem e a amizade. Segundo o executivo é preciso ter amigos no ambiente de trabalho – e não só colegas – porque os amigos é que te dizem a verdade e trazem as melhores críticas.
  • Caos: O Google tenta manter no seu ambiente organizacional o “caos” das empresas quando elas começam. Uma coisa mais pessoal, amadora. Segundo Carlos o grande desafio é você desburocratizar uma organização quando ela é grande e tudo tende a estar ‘engessadamente’ organizado.
  • Estrutura financeira: Mantemos nossas finanças e departamentos administrativos muito organizados.